quinta-feira, 21 de junho de 2007

PROFANO

Profano teu corpo
Como em mim ironizo teu gozo
Regozijo-me e te desconvido
A partilhar meu prazer.

Bendigo meu corpo
Como em ti assolei-me
Entreguei-te, vendada
O que vedado estava.

Bendito momento
Em que acordo, assustada
E descubro meu corpo
Inteiro, sem mágoas.

© Márcia Sanchez Luz


*Do Livro "No Verde dos Teus Olhos" - Editora Protexto, PR - 2007