terça-feira, 7 de agosto de 2007

Raul Machado

A UM POETA

Poeta! Se em grandes lágrimas o pranto
Tua alma embebe, tua face inunda,
Sê como a terra dos canteiros, quanto
Mais orvalhada, tanto mais fecunda!

E enquanto o choro se extravasa, lento,
Da tua dor faze um motivo de arte!
Floresce em versos o teu sentimento!
Em fruito de oiro o coração reparte!

Sofres sem trégua? A vida te escurecia?
Marcas, de sangue generoso, os rastros?
Transforma o teu soluço em harmonia!
Rebenta as tuas lágrimas em astros!

Ilumina de um brilho, novo e ardente,
A noite e o horror de teus martírios puros!
Os céus se mostram infinitamente
Mais estrelados, quanto mais escuros...

Glorificar a dor é o teu destino!
No mundo da arte que se não profana,
Toda centelha do prazer divino
Nasce de um pouco da tristeza humana!

(enviado por Francisco Sanchez)