sexta-feira, 7 de março de 2008

Recorde de Glauco Mattoso

GLAUCO MATTOSO BATE RECORDE DO ITALIANO GIUSEPPE BELLI

O poeta brasileiro Glauco Mattoso (paulistano de 1951), que, em fevereiro de 2008, completou dois mil e trezentos sonetos de uma série iniciada em 1999, supera a histórica marca do italiano Giuseppe Belli (1791-1863), que, em 1849, teria composto, segundo consta, seu soneto de número 2.279 numa obra produzida mormente entre 1830 e 1839. Mattoso tem com Belli outra afinidade, além da copiosa produção: a sátira fescenina, que abusa da pornografia e da escatologia. Também no aspecto lingüístico há paralelos: Belli versejava no dialeto romanesco, falado na periferia da capital italiana, enquanto Mattoso incorpora ao português brasileiro as gírias suburbanas e os neologismos contraculturais da segunda metade do século XX, de mistura com o vernáculo castiço e com o rigor formal, típicos do soneto clássico, composto em decassílabos predominantemente heróicos. A diferença entre ambos os "malditos" está na postura: Belli cedeu às pressões moralistas e aderiu à autoridade católica, renegando o anticlericalismo que caracterizara sua temática; Mattoso se mantém anarquicamente independente de quaisquer ideologias ou fisiologias, fiel unicamente à sua biografia de cego sadomasoquista e fetichista. Para celebrar a notável façanha de quem perfaz o terceiro milhar de sonetos, foi elaborado o verbete abaixo, que vem sendo divulgado em diversos veículos da rede virtual e da mídia impressa, inclusive a "Wikipedia", contendo uma amostra trilíngüe da obra belliana e mattosiana. Belli, mundialmente reconhecido, foi traduzido também para o inglês; Mattoso, que tem sido objeto de estudos acadêmicos na América Latina e nos Estados Unidos, alcança agora as universidades européias.


Para mais informações, sugere-se acessar:

http://formattoso.sites.uol.com.br/ (site oficial em inglês)
http://sonetodos.sites.uol.com.br/ (acervo completo dos sonetos)