quinta-feira, 10 de abril de 2008

Poesia de Carmo Vasconcelos


CARTA A BOCAGE


© Carmo Vasconcelos




Eu que amo a poesia quase entendo
Como afogaste a alma em dor tamanha
Na pele de um boémio te escondendo
Iludindo uma plebe assaz tacanha

Demais sublime a tua poesia
D’estro maior que o seu entendimento
Caluniada foi por heresia
Enorme se igualando ao teu tormento

Pudera ter-te ao tempo conhecido
Que afagos mil, de mãe, eu te daria
E dos teus olhos brilho tão sofrido
Com o fulgor dos meus alegraria

Poeta de talento entusiasta
Porém de fado gémeo da má sorte
Duma vida que foi pra ti madrasta
Te salvou piedosa a terna morte

E lá onde te encontras nesta hora
Vingado da chacota e do ultraje
O derradeiro a rir és tu agora
De quem um dia riu de ti, BOCAGE!

***

Lisboa/Portugal/1998

(In Antologia da Associação Portuguesa de Poetas- ano 2005)

In E-Book "Luas e Marés"


(poema publicado com a autorização da autora)