terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Poema de Vieira Calado




O Voluntário Prisioneiro
Vieira Calado


Aqui cheguei
com a verdade do mar salgado
nas horas do pássaro primeiro
que atravessou o mar de lado a lado.

E aqui chorei
com a mágoa verdadeira
de não ser o voluntário prisioneiro
que ficou à espera a vida inteira.


(Poema publicado com a autorização do autor)