quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Poema de Rizolete Fernandes



Casa inteira

Rizolete Fernandes


A casa
ainda inteira
passeia
sobre as águas baldias
da enchente
dos últimos dias

Recorrente desfile
que a todo-poderosa
a qualquer momento
sem aviso prévio
com porte pago
em módica aceitação
entrega em domicílio

Indigesta ceia
à nossa vontade
alheia


(Poema publicado com a autorização da autora)