quarta-feira, 30 de abril de 2008

Jayme Martins


Jayme Martins - um poema, uma história


Jayme Martins é amigo muito querido, a quem tive o prazer de conhecer ainda criança, graças à intensa e fraterna amizade que existe entre ele e meu pai, Francisco Sanchez.


Um Poema


Segredos de Huang Shan

© Jayme Martins




























Subidas íngremes, escarpadas,
escadarias e rampas sem fim,
para cima e para cima,
cada vez mais para o céu.

Nuvens densas e esgarçadas
qual mares encapelados
coroam dez mil montanhas
de majestade sem par.

Pinus verdes, multiformes,
como dragões em vigília,
ornam picos, precipícios,
silvam canções, estendem ramos,
saudando seus visitantes.

Com 73 anos e uma bengala,
vou subindo passo a passo,
em busca dos mil segredos
que o mais alto pico esconde
e os deuses de Huang Shan
só revelam e compartem
com quem consegue chegar lá.

Huang Shan, 23/09/2003

(Poema enviado por e-mail pelo autor)



Uma História


Jornalista brasileiro, viveu na China por 20 anos, (1962-1979 e 1987-1989), como professor de Português no Instituto de Línguas Estrangeiras (hoje, Universidade de Línguas Estrangeiras), copidesque do Serviço de Português da Radio Pequim (hoje, Rádio China Internacional) e correspondente da mídia brasileira (O Globo, O Estado de S. Paulo, Agência Estado, Jornal da Tarde, Rádio Eldorado, Rádio Guayba e SBT).

Sua longa experiência e a de sua família na China são únicas no Brasil. Acompanhou diretamente o desenrolar dos acontecimentos das décadas de 60, 70 e 80, inclusive os onze anos de Revolução Cultural (1966-1976), a derrubada do Bando de 4 e a reabilitação de Deng Xiaoping, tendo mantido audiências e/ou entrevistas com os mais altos dirigentes chineses, inclusive Mao Zedong, Zhou Enlai e Deng Xiaoping.

Fez extensas reportagens para a mídia brasileira sobre tudo o que aconteceu de relevante na China nesse longo período, especialmente sobre a Revolução Cultural, sobre o processo de Reforma e Abertura desencadeado em 1978, sobre o boom econômico dos anos seguintes até hoje e sobre os acontecimentos da Praça da Paz Celestial (1989), por cuja cobertura mereceu o Grande Prêmio de Jornalismo Líbero Badaró de 1990, outorgado pela ABI-Associação Brasileira de Imprensa e Revista Imprensa.

É Diretor Responsável do Jornal Chinês para a América do Sul (desde 1995), Diretor de Comunicação da Câmara de Comércio & Indústria Brasil-China (desde 1986), Diretor de Relações Internacionais da Aliança Brasil-China de Campinas e Região (desde 2005), é Secretário-geral do Conselho Municipal de Relações Internacionais da Prefeitura de Jundiaí. (desde 2005) e foi Chefe de Reportagem do Jornal Última Hora (1960-1962), Coordenador de Planejamento da Prefeitura de Jundiaí (1983-1987). Editor-chefe do Programa Roda Viva, da TV Cultura de São Paulo (1990-1999) e Diretor de Cooperação Internacional da Prefeitura de Jundiaí (2003-2006).


(Biografia extraída do site Overchina)