sábado, 4 de setembro de 2010

Dose Certa


Antonio Manoel Abreu Sardenberg


Na dose certa todo amor é terno,
Faltando afeto ele se torna fraco,
Quando é escravo vira um inferno,
Se é rotina passa a ser um caco!

Na dose certa todo amor é pleno,
Se não é tudo, então é quase nada,
É gota d’ água vinda do sereno
No finalzinho de uma madrugada.

Na dose certa o amor é vida,
É o alimento que impulsiona o mundo,
É o oásis que nos dá guarida
O sentimento que nos cala fundo.

Na dose certa parece um gigante
Que a cada instante cresce mais e mais,
Não pára nunca, vai sempre adiante,
O amor assim é troço bom demais.


(Poema publicado com a autorização do autor)